Junho começa com retorno da bandeira verde na conta de luz

Apesar do aumento na oferta de energia, meteorologia aponta que o cenário otimista é temporário e não deve se prolongar muito

O ano de 2017 começou com bandeira verde nas contas de luz, mas a boa notícia não vigorou por muito tempo, e já no final de fevereiro, antes do término do período úmido, a cobrança voltou para tarifa vermelha.

LinhasdeTransmissão

Bandeira vermelha pode voltar antes do fim do inverno/ Fonte: Banco de imagens da Somar Meteorologia

Com os baixos níveis dos reservatórios, a expectativa era de que a bandeira vermelha fosse mantida até o final do ano, mas as chuvas acima da média que atingiram principalmente a região Sul no último mês garantiram a volta da tarifa verde antes do esperado.

De acordo com os dados da ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o Sistema Sul, que começou o mês de março com 40% de seu nível operacional, conta agora com 71% de sua capacidade, o que deve permitir temporariamente que o sistema complemente a demanda de energia das demais regiões do país.

Para Paulo Etchichury, climatologista da  Somar Meteorologia,  como a capacidade de armazenamento é pequena nas bacias do Sul onde ocorreram as fortes chuvas, o aproveitamento efetivo da energia é baixo,  o que acaba representando um excedente no período e força uma queda no PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) e por consequência leva a bandeira verde.

Outro reservatório que recebeu uma quantidade significativa de chuva é o Paranapanema, que fica localizado no interior do Estado de São Paulo, e teve seu nível elevado para cerca de 80%. No entanto, o Sistema Sudeste/Centro-Oeste, que é responsável por alimentar 70% do abastecimento do país,  segue operando com 43% de sua capacidade, pouco maior do que quando começou o período seco, em março, quando estava com 41%.

Na região Norte, as chuvas não foram suficientes para elevar o nível dos reservatórios, mas serviram para uma manutenção do nível, que se mantém estável em torno de 45% desde a primeira quinzena de março, enquanto o Nordeste, foi o único a registrar queda no mesmo período, de 22% para 19%.

Alívio na conta é temporário

De acordo com Etchichury, o cenário deve permanecer favorável para o consumidor, já que a expectativa é de as chuvas continuem acima da média na região Sul durante o mês de junho, o que deve possibilitar que a bandeira verde siga em vigor pelo menos até o fim de julho.

“Apesar disto, o recesso natural das chuvas que ocorre nos próximos meses no interior do país, deve afetar ainda mais o abastecimento, e como o Sistema Sul não possui uma capacidade total grande o bastante para suprir por muito tempo os demais sistemas, existe a possibilidade de que a bandeira vermelha volte a vigorar antes do término do inverno”, afirma o especialista.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

 

O que esperar do tempo em junho?

Café: Produção deve ser menor neste ano

Expectativa para El Niño no 2º semestre de 2017 diminui