17 de Junho: Dia Mundial do Combate à Desertificação

Mau uso do solo potencializa consequências de eventos climáticos

O Dia Mundial da Desertificação foi instaurado em 1994, pela ONU (Organização das Nações Unidas). O objetivo da data é chamar atenção principalmente para a consequência do processo de desertificação causada por ações humanas.

shutterstock_93532180

Dia do combate à desertificação/ Fonte: Banco de imagens da Somar Meteorologia

Deserto x Desertificação

Para entender melhor, o climatologista da Somar Meteorologia, Paulo Etchichury, informa que é importante saber separar o conceito de deserto e de desertificação. O primeiro é um processo natural causado por eventos climáticos e o segundo, é quando a vegetação se reduz ou acaba totalmente, através do desmatamento, o solo perde suas propriedades e se torna infértil.

Segundo Etchichury, a desertificação também se caracteriza como um processo natural e pode acontecer por causa de queimada, falta de chuva, entre outros. Mas o fator principal, é que ela é potencializada pelo homem. “Se uma plantação é feita em um lugar onde bate muito vento, por exemplo, esse processo pode se tornar mais acelerado”, comenta.

Por isso, o climatologista ressalta a importância do zoneamento agroclimático, que deve ser feito antes de se iniciar o cultivo. “Esse estudo vai mostrar o que o solo pode oferecer e o que pode ser produzido sem gerar um desequilíbrio”, afirma.

Clima x Desertificação

Além da infertilidade, o mau uso do solo também pode acarretar no aumento dos efeitos causados por fenômenos naturais. “Em anos de neutralidade, como é o caso de 2017, em que o aquecimento das águas não é suficiente para configurar um El Niño, a chuva tende a diminuir principalmente no Centro-Sul e no caso de um solo que foi excessivamente explorado, a regeneração natural do solo é mais difícil”, explica o meteorologista da Somar, Celso Oliveira.

No Brasil, um dos maiores exemplos de desertificação, é o Deserto do São João, localizado no município de Alegrete no sudoeste do Rio Grande do Sul, que se originou por conta do excesso de chuvas torrenciais associadas ao mau uso do solo. O areal possui cerca de 200 hectares, segundo levantamento realizado em 1999.

alegete

Deserto de São João, Alegrete (RS)/ Fonte: Baita Chão News

Punição

Hoje, o mau uso do solo é considerado crime ambiental no Brasil. Donos de propriedades rurais em que são identificadas queimadas, erosões, voçorocas (erosões mais profundas e de grandes proporções), entre outras degradações, podem receber multa, e ser responsabilizados pela recuperação da área degradada.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

Fim de semana: Outono se despede com friozinho e chuva no Centro-Sul

Inversão térmica: Qualidade do ar piora em São Paulo