Verão

Como será o verão ?

La Niña fraco promete calor menos intenso comparado ao verão de 2016

O verão começa em 21 de dezembro, às 08h44 no horário de Brasília. De acordo com a NOAA (Agência Nacional Oceânica e Atmosférica), a estação mais quente do ano será influenciada por um fraco La Niña, resfriamento das águas do Oceano Pacífico, o que deve garantir um calor menos intenso comparado ao verão de 2015, quando o país enfrentou um forte El Niño, ou aquecimento das águas do Pacífico.

Verão 2016/17 deve ser menos quente comparado ao ano passado/ Fonte: Banco de imagens da Somar Meteorologia

Verão 2016/17 deve ser menos quente comparado ao ano passado/ Fonte: Banco de imagens da Somar Meteorologia

Verão 2016/17 deve ser menos quente comparado ao ano passado/ Fonte: Banco de imagens da Somar Meteorologia

O meteorologista da Somar, Celso Oliveira, relembra o verão de 2015/16. “Por causa do El Niño, a estação foi marcada por bloqueios, que seguravam as frentes frias no Sul do país. Enquanto os Estados sulistas recebiam temporais com chuva volumosa e persistente, no restante do Brasil o tempo firme favorecia a elevação das temperaturas, com recordes de calor em algumas cidades”.

Neste ano, o verão começa com características típicas da estação. “A previsão é de calor em praticamente todo o país, com pancadas de chuva que ocorrem principalmente no período da tarde pelo menos até o Natal”, comenta.

Mas o profissional ressalta que esse padrão não deve se manter até o fim da estação. “Após esta primeira semana de verão, o resfriamento das águas do oceano devem favorecer o avanço das frentes frias e provocar chuvas acima da média no Sudeste, Norte e Centro-Oeste. Além disso, a nebulosidade não impede o calor, mas mantém as temperaturas mais amenas comparadas ao ano passado”.

No Nordeste, as chuvas ocorrem de forma alternada. “A estação começa com maior ocorrência de chuvas no interior, mas em meados de fevereiro, o tempo fica mais úmido no oeste da região, e o verão termina com as precipitações concentradas principalmente nas áreas próximas ao leste, mas de uma maneira geral, a estação pode ser definida como mais úmida e menos quente que no último ano”, explica.

Enquanto isso, o Sul deve sentir uma diminuição na frequência e volume das chuvas. “Não significa que não vai chover, mas diferente dos últimos anos, que foram marcados por precipitações acima da média, a região deve registrar chuvas dentro ou pouco abaixo da média neste verão”, finaliza Oliveira.