Novembro começa com chuva em Mato Grosso e MATOPIBA

Precipitações beneficiam lavouras de grãos no Centro-Norte, enquanto chuva se torna mais irregular na região Sul

Chuvas irregulares com baixos acumulados prejudicaram o início da fase de plantio no Centro-Oeste. De acordo com o IMEA(Instituto Matogrossense de Economia Agrícola), apenas 26% das áreas destinadas ao plantio foram semeadas até agora no Mato Grosso, na mesma época, o Estado já contava com 42% das áreas plantadas.

glass-rainy-car-rain

Chuvas beneficiam o plantio no Mato Grosso e MATOPIBA/ Fonte: Pexels

Segundo o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, o padrão deve ser diferente no Centro-Oeste em novembro. “O acumulado deverá passar dos 200 milímetros no Distrito Federal, Goiás, na maior parte de Mato Grosso e áreas do sul e do nordeste de Mato Grosso do Sul, com chuvas acima da média na maior parte da região”.

Enquanto Mato Grosso do Sul deve ter a primeira quinzena mais úmida, Goiás e Distrito Federal devem receber os acumulados mais significativos na segunda quinzena. “Em Mato Grosso, as áreas mais atingidas pelas chuvas devem alternar, sendo que o noroeste do Estado recebem os maiores acumulados na primeira quinzena do mês, enquanto leste, centro, sul e oeste devem receber os maiores volumes na segunda quinzena”, afirma Oliveira.

Na região do MATOPIBA, área agrícola que compreende parte dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, onde algumas fazendas estão há mais de 100 dias sem receber chuvas significativas, as precipitações devem voltar a acontecer na virada do mês.

“Apesar de novembro começar com um cenário otimista, períodos de estiagem ainda ocorrem na segunda e terceira semana do mês, mas é no final de novembro, que as chuvas realmente voltam a atingir a região de forma mais regularizada, com precipitações que vão de 100 a 150mm em algumas áreas, sendo que no Tocantins são esperados acumulados de até 200mm”, comenta o meteorologista.

Na região Sul, onde o excesso de chuva chegou a prejudicar o plantio ao longo de outubro, as precipitações se tornam um pouco mais irregulares em novembro. “Os acumulados ainda ficam próximos da média na maior parte da região, mas a chuva ocorre intercalada com maiores períodos de tempo firme, sendo que no Rio Grande do Sul, são esperadas estiagens pontuais principalmente na segunda quinzena do mês”, comenta Oliveira.

 

AGROSOMAR

No AGROSOMAR, plataforma online destinada ao agronegócio, o agricultor tem as previsões de curto e longo prazo, além de conferir a tendência das próximas três estações e poder compará-las com as informações dos últimos nove meses.

Dentro da ferramenta, o produtor também obtém informações das culturas de seu interesse  e pode fazer o acompanhamento da sua lavoura com a funcionalidade de gerenciamento de safra que permite inserir informações como data de plantio, produtividade potencial e tipo de solo.

Os assinantes do Agrosomar também contam com o calendário fitossanitário, que sinaliza risco de doenças para culturas e com a função de precipitação acumulativa, que permite ver o acumulado de chuva desde a data do plantio até a data  atual.

E ainda tem a penalização de produtividade, que possibilita ao agricultor saber quanto o clima está impactando na produção da sua safra.

Para saber mais acesse www.agrosomar.com.br.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

Cresce a possibilidade de La Niña se configurar até o verão