Falta de chuva favorece colheita no Centro-Oeste

Por outro lado, tempo seco tem potencializado o número de queimadas

O tempo seco tem predominado em grande parte da região Centro-Oeste nos últimos meses e com isso, muitas lavouras sofrem uma redução na umidade do solo, o que potencializa o risco para as queimadas.

Milho 1

Foto: Banco de Imagem Somar Meteorologia

 

De acordo com o Monitoramento de Queimadas e Incêndios do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o Mato Grosso tem até o momento cerca de 10.700 focos de incêndio, o que representa 57% a mais do que foi registrado no mesmo período do ano passado.

Por outro lado, o tempo firme tem favorecido o rápido avanço da colheita do algodão e do milho 2ª safra, que tem tido um percentual de área colhida superior ao mesmo período de 2015. 

Nas lavouras de algodão já foram colhidas 42% em Mato Grosso e 45% em Mato Grosso do Sul. Já no milho safrinha, o percentual no Estado mato-grossense está em 85%, Goiás está com 70% e Mato Grosso do Sul em 68% de áreas colhidas. “Apesar disso, os índices de produtividade se encontram bem abaixo dos valores registrados na safra passada, por conta das condições meteorológicas”, comenta o agrometeorologista Marco Antonio dos Santos.

Segundo a Somar Meteorologia, não há previsão de chuvas para nenhuma região produtora de algodão e milho 2ª safra nesta semana, o que permite a realização da colheita e dos tratos culturais. Além disso, algumas cidades podem ficar em estado de atenção, com valores de umidade relativa abaixo dos 30%.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

 

O que esperar de agosto?

La Niña deve ser mais fraco e com maior durabilidade