Chuva se espalha pelo país e beneficia plantio da soja

Desenvolvimento da planta ainda pode ser afetado no MATOPIBA onde a chuva pode ocorrer de forma irregular na segunda quinzena de novembro

Instabilidades provocam chuva por todo o país desde o fim de semana e os volumes abrangentes que atingem o Centro-Sul e a região do MATOPIBA, área agrícola que abrange os Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, animam os produtores que estão na fase de semeadura da soja.

soybean-1831703_1280

Semeadura da soja é beneficiada pela chuva no país/ Fonte: Pixabay

De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, as precipitações devem continuar atingindo a região Sul com grandes acumulados até o final de novembro. “Apesar de mês não ser tão chuvoso quanto outubro, os acumulados podem afetar os trabalhos de campo principalmente na metade da segunda quinzena”.

Na faixa central do país, os acumulados auxiliam na recuperação da umidade do solo. “No Mato Grosso, houve um avanço de 21% no plantio em relação à última semana e a área semeada chega aos 65% no Estado, porém ainda há um atraso de 15% em relação ao mesmo período em 2016”, comenta o agrometeorologista Leandro Calve.

Apesar do avanço, a demora na regularização das chuvas que ocorreu mais de um mês após o fim do vazio sanitário que terminou em 15 de setembro, pode ser a causa de uma redução nas áreas plantadas no Mato Grosso, onde parte das plantações que seriam destinadas à soja devem ser remanejadas para o do plantio do algodão.

Já no MATOPIBA, as chuvas que ocorrem ao longo desta semana, devem contribuir com as plantações que também começaram atrasadas devido à demora na regularização das chuvas, mas Oliveira recomenda cautela ao produtor. “Apesar dos acumulados significativos nesta primeira semana de novembro, as precipitações devem ocorrer com menos frequência durante a segunda quinzena do mês”, afirma.

De acordo com o profissional, a chuva ainda deve acontecer, mas intercalada com períodos de tempo firme e temperaturas elevadas neste período, com máximas até 4ºC acima da média, o que pode prejudicar o desenvolvimento das plantas. “Por outro lado, precipitações mais abrangentes são esperadas ao longo de dezembro na região”, finaliza.

 

AGROSOMAR

No AGROSOMAR, plataforma online destinada ao agronegócio, o agricultor tem as previsões de curto e longo prazo, além de conferir a tendência das próximas três estações e poder compará-las com as informações dos últimos nove meses.

Dentro da ferramenta, o produtor também obtém informações das culturas de seu interesse  e pode fazer o acompanhamento da sua lavoura com a funcionalidade de gerenciamento de safra que permite inserir informações como data de plantio, produtividade potencial e tipo de solo.

Os assinantes do Agrosomar também contam com o calendário fitossanitário, que sinaliza risco de doenças para culturas e com a função de precipitação acumulativa, que permite ver o acumulado de chuva desde a data do plantio até a data  atual.

E ainda tem a penalização de produtividade, que possibilita ao agricultor saber quanto o clima está impactando na produção da sua safra.

 

Para saber mais acesse www.agrosomar.com.br.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

 

Até quando vai o frio na capital paulista?

Cresce a possibilidade de La Niña se configurar até o verão

Conta de luz vai ficar mais cara em novembro