Qual a diferença entre raios, relâmpagos e trovões?

Entenda melhor um dos fenômenos que mais atingem o Brasil e saiba diferenciar:

Muitas pessoas ainda ficam em dúvida sobre qual nomenclatura usar quando se trata de alguns fenômenos meteorológicos. Entenda a diferença entre relâmpagos, raios e trovões.

storm-844160_1280

Considera-se um relâmpago, o evento completo, desde o “barulho” conhecido como trovão até o raio, que é quando a descarga elétrica sai da nuvem e toca o solo. Esse tipo de relâmpago é conhecido também por nuvem-solo (NS).

Os relâmpagos são caracterizados por intensas descargas elétricas com alguns quilômetros de extensão e que as vezes apresentam ramificações. Essas descargas elétricas são semelhantes às correntes elétricas que passam pelos fios das residências, como por exemplo, no chuveiro. No entanto, são milhares de vezes mais fortes. Tão fortes que quando passam pela atmosfera, deslocam o ar e produzem um barulho intenso, que no caso, é o trovão. E por que vemos o relâmpago antes de ouvir o trovão? Simplesmente porque a velocidade da luz é mais rápida que a do som.

4 cuidados com energia elétrica durante chuvas intensas

O Brasil é campeão mundial em ocorrência de raios – foram mais de 77,8 milhões de descargas elétricas nos últimos seis anos, segundo o levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Em 2017, o INPE realizou um estudo que mostrou que o estado com maior densidade de raios (quantidade de raios por quilômetro quadrado por ano) é o Tocantins, com 17,1 raios por quilômetro quadrado. Na sequência aparecem Amazonas (15,8), Acre (15,8), Maranhão (13,3), Pará (12,4), Rondônia (11,4), Mato Grosso (11,1), Roraima (7,9), Piauí (7,7) e São Paulo (5,2).

O ranking das cinco primeiras capitais com maior densidade de raios por quilômetro quadrado por ano é: Rio Branco (30,13) Palmas (19,21), Manaus (18,93), São Luís (15,12), Belém (14,47) e São Paulo (13,26).

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.