Como será novembro?

Chuvas se espalham por todo o Brasil neste mês, com maiores volumes na segunda quinzena

O mês de outubro se encerra na próxima semana com chuvas distribuídas pelo Centro-Sul e a tendência é de que a precipitação continue a se espalhar pelo país em novembro. De acordo com Celso Oliveira, meteorologista da Somar Meteorologia, os maiores volumes de chuva ocorrem na segunda quinzena do mês.

Chuvas retornam ao Nordeste em novembro / Foto: Banco de Imagens da Somar Meteorologia

Chuvas retornam ao Nordeste em novembro / Foto: Banco de Imagens da Somar Meteorologia

Os acumulados podem ultrapassar a média histórica no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Nos primeiros quinze dias de novembro, os volumes ficam abaixo do esperado no centro e oeste do Rio Grande do Sul, além das áreas de fronteira com o Uruguai. “Ao longo de novembro, o Sul terá diminuição das chuvas, embora não sejam estiagens fortes”, comenta o meteorologista Celso Oliveira. As simulações meteorológicas apontam para temperaturas próximas da média, com ondas de frio na primeira quinzena e aumento do calor na segunda.

Com a diminuição da precipitação na região Sul, as instabilidades aumentam no Nordeste, como é comum no regime de chuvas neste período do ano. A faixa sul da Bahia, que tem cidades como Vitória da Conquista e Porto Seguro, deve finalizar o mês com acumulados acima da média. Já o litoral e norte da região terão redução das chuvas, como também é comum para a época. Também volta a chover no sudoeste do Piauí e sul do Maranhão, Estados que integram a região agrícola do MATOPIBA, junto com Tocantins e Bahia.

As chuvas no Nordeste ainda não são regulares, o que mantém as temperaturas elevadas ao longo do mês, com chance de ultrapassar a média no oeste baiano, sudoeste do Piauí e oeste maranhense.

 

Chuvas se espalham por todo o Sudeste e Centro-Oeste

Em novembro, as chuvas atingem os quatro Estados da região Sudeste, embora fiquem abaixo da média em algumas áreas como Vale do Paraíba, Rio de Janeiro e Zona da Mata. Os maiores volumes ficam para o oeste paulista, interior do Espírito Santo, centro, leste e norte de Minas Gerais, enquanto a faixa litorânea da região recebe baixos acumulados.

A segunda metade do mês será mais chuvosa em relação à primeira e, em comparação com outubro, a região terá diminuição do calor. De acordo com Oliveira, as temperaturas elevadas intercalam com a entrada de ondas de frio na costa do Sudeste durante o segundo decêndio de novembro.

No Centro-Oeste, as chuvas ficam acima da média do mês na maior parte da região, com volumes significativos para o sudoeste do Mato Grosso e faixa sul do Mato Grosso do Sul. A precipitação será mais intensa na segunda quinzena no Mato Grosso do Sul, enquanto os demais Estados recebem os maiores acumulados na primeira. O calor será acima da média na região, mas perde força em comparação com outubro. Na segunda metade de novembro, uma onda de frio associada ao Oceano Pacífico frio derrubará as temperaturas do Mato Grosso do Sul.

 

Chuvas se intensificam no Norte

A região tem recebido chuvas frequentes nos últimos meses e a previsão é de intensificação em novembro. Assim como em outubro, os maiores volumes serão percebidos no Acre, mas agora os Estados do Pará e Tocantins também recebem acumulados, embora não sejam regulares. O Amazonas, ao contrário de outubro e novembro de 2016, fica com chuva abaixo da média. Por conta da irregularidade da precipitação, o calor segue predominando na região e o Tocantins pode ter temperaturas elevadas em 2,5ºC acima da média.