Junho Vermelho: Doações de sangue caem até 30% no inverno

Campanha nacional visa reduzir defasagem de doadores de sangue

De acordo com a Somar Meteorologia, o inverno de 2016, que começa em 20 de junho, promete ser mais frio e seco que nos últimos dois anos em grande parte do país. Mas o friozinho que deixou muita gente feliz desde o fim de abril, pode se tornar um problema para os bancos de sangue do país.

Doações de sangue diminuem no inverno/ Fonte: Catraca Livre

Doações de sangue diminuem no inverno/ Fonte: Catraca Livre

Segundo a Fundação Pró-Sangue, o número ideal de coletas realizadas por mês deveria ser de 12.500, mas em maio somente 9.700 bolsas de sangue foram coletadas. O Hemocentro de São Paulo atribui essa defasagem principalmente ao frio.

O problema, de acordo com o centro de coletas, vai além das temperaturas baixas, uma vez que as patologias respiratórias, como gripe, resfriado e rinite alérgica, se tornam mais frequentes no inverno.

O frio chegou mais cedo este ano, e desde a primeira massa de ar polar que rompeu o bloqueio atmosférico e avançou pelo país na última semana de abril, os casos de doenças respiratórias aumentaram 45% . Isto também contribuiu para aumentar o número de pessoas recusadas nas triagens dos bancos de sangue.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que pelo menos 3% da população de um país seja doadora, mas no Brasil, esse número é de apenas 1,8%.

Junho Vermelho

Com o objetivo de diminuir a defasagem de doadores nesta época do ano, a campanha Junho Vermelho, criada pela EDS Brasil (Eu Dou Sangue), busca conscientizar as pessoas da falta de sangue nos hemocentros do país.

Em 2015, o Movimento EDS ajudou não só a evitar a queda, como alavancou em 30% o número de doações entre os meses de junho e agosto. A campanha que não tem ligação com nenhuma instituição em particular, ganhou apoio nacional de hemocentros, empresas e órgãos governamentais.

A iniciativa e os locais de doação em todo o país podem ser conferidos no portal da EDS Brasil.

 

Veja agora a previsão do tempo na sua cidade.

O La Niña vem aí?