Diabéticos sofrem mais com o calor

Pacientes apresentam índices mais altos de eventos adversos no calor, como hospitalizações e desidratação

De acordo com a IDF (Federação Internacional de Diabetes), estima-se que hoje existam mais de 400 milhões de diabéticos no mundo. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 14 milhões de brasileiros tem diabetes e aparecem pelo menos 500 novos casos todos os dias.

16009577355_ef9bd870c8_z

Fonte: Flickr/ Petiri Eisikovitsh

Sintomas pioram no calor

De acordo com uma pesquisa da Mayo Clinic, nos EUA, pacientes de diabetes apresentam índices mais altos de eventos adversos no calor, como hospitalizações, desidratação e até mesmo morte.

Durante o estudo, os cientistas perceberam que os diabéticos tem menor índice de transpiração em relação aos não-diabéticos. Segundo a pesquisa, “o suor pareceu se paralisar, independente de um aumento alarmante na temperatura corporal”.

No livro Tudo Sobre Diabetes, do professor Peter Sönksen, os doutores Charles Fox e Sue Judd explicam que a falta de hidratação pode fazer com que o nível de glicose no sangue fique mais elevado e em alguns casos pode causar cetoacidose diabética, quando o corpo não consegue utilizar a glicose como fonte de energia, e levar o paciente ao coma.

Além disso, quando faz muito calor, o fluxo sanguíneo aumenta para a pele e faz com que a insulina seja absorvida mais rapidamente e seu efeito passe mais rápido, por isso muitas vezes, a dose da medicação precisa ser aumentada nos dias mais quentes.

2017 pode ser um dos anos mais quentes da história

Na primeira semana de novembro, o secretário-geral da OMM (Organização Meteorológica Mundial), Petteri Taalas, afirmou na abertura da 23ª edição da Conferência de Clima da ONU (Organização das Nações Unidas)  que 2017 deve ser um dos anos mais quentes já registrados. De acordo com Taalas, este ano deve ficar entre os três mais quentes desde o século XIX, quando começaram os registros.

Apesar disso, o verão no Brasil não deve ser marcado por temperaturas tão extremas. “Com o Oceano Pacífico apresentando condições de La Niña e a ODP (Oscilação Decadal do Pacífico) em fase negativa, a estação mais quente do ano deve ser marcada por máximas elevadas, típicas da estação, porém as temperaturas devem se manter próximas da média no faixa norte do país e na região Sul, enquanto ficam dentro ou até mesmo um pouco abaixo da média na faixa central do país”, comenta o meteorologista Celso Oliviera, da Somar Meteorologia.

Mês de combate ao Diabetes

A ABD (Associação Brasileira de Diabetes) divulga em seu site diversos eventos em todo o país que acontecem durante o mês de novembro para divulgar e combater a doença, os cronogramas e informações estão disponíveis no site da instituição.

 

Clique aqui e confira a previsão do tempo na sua cidade.

Índices Ultravioletas ficam mais altos na primavera

Nutricionista indica as dietas para cada estação